Foto: Getty Images/Istockphoto

Estudo iniciado em 2020 por médicos e pesquisadores mineiros constatou que o vírus SARS-CoV2, que causa a COVID-19, pode se alojar nos testículos de homens infectados por quase um mês, levando os pesquisadores a classificar o órgão como um “santuário viral”. O trabalho joga luz sobre a influência do agente patogênico na infertilidade masculina, e constatou que a doença afeta diretamente todo o tecido testicular em pacientes que faleceram com o problema, ou seja, pacientes que se manifestaram com a forma grave da doença.

Ainda não se sabe se as formas leves e moderadas da COVID-19 têm impacto temporário ou definitivo na fertilidade dos homens. A pesquisa foi submetida à revista científica internacional, com revisão de pares, para possível publicação.

A proposta da investigação partiu da constatação de que diversos vírus ficam alojados no testículo, considerado um “santuário viral”. Sabendo disso, o grupo de médicos e pesquisadores capitaneados pelo urologista Marcelo Horta Furtado, que integra o Serviço de Reprodução Humana da Rede Mater Dei de Saúde, se debruçou sobre a literatura científica e se deparou com um artigo sobre a identificação de alterações importantes nos testículos de seis pacientes que morreram em decorrência da infecção por SARS-CoV-1, em 2006. Muito antes da COVID-19 afligir o mundo, o SARS-CoV-1 foi identificado como agente da epidemia de síndrome respiratória aguda grave (Sars), iniciada na China no fim de 2002.

A partir dessa primeira constatação, a equipe avançou na investigação. “Após encontrarmos esse indício importante envolvendo o vírus da SARS, outro ponto que nos chamou a atenção foi perceber que o vírus da COVID-19, o SARS-CoV-2, usa um receptor da membrana celular, abundante no testículo, para infectar as células humanas”, diz Marcelo Furtado.

Os médicos convidaram o pesquisador Guilherme Costa, do Departamento de Morfologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e contaram com a colaboração de uma dezena de pesquisadores da própria universidade, além de membros da Universidade Estadual Paulista, de São José do Rio Preto, em São Paulo, e da Faculdade de Medicina da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos. Juntos, planejaram o estudo envolvendo pacientes que vieram a óbito nos hospitais da Rede Mater Dei, em decorrência de complicações da COVID-19.

A pesquisa foi autorizada pelo Comitê Nacional de Ética e Pesquisa (Conep), pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Rede Mater Dei e teve o consentimento legal dos familiares de todos os pacientes. “O objetivo era avaliar se realmente havia acometimento dos testículos, determinar possíveis mecanismos do dano e investigar a presença e persistência do vírus no tecido testicular. E, para nossa surpresa, os danos ao tecido testicular foram confirmados em todos os 11 pacientes estudados. Ele mostrou-se mais intenso de acordo com o tempo de internação no CTI, ou seja, quanto mais tempo no CTI mais severo o dano ao órgão”, diz Furtado.

Segundo o médico, durante as observações, a equipe percebeu que todas as células testiculares dos pacientes avaliados estavam afetadas. Não somente as da linhagem germinativa – que dão origem aos espermatozoides -, mas também as células de Leydig, que produzem a testosterona. Notou-se, inclusive, que a testosterona intratesticular encontrava-se bastante diminuída.


“Isso nos indica que o vírus atinge a região vital para a fertilidade masculina, comprometendo todos os tecidos que ali estão e podendo afetar a capacidade reprodutiva do homem”, acrescenta o urologista.

Correio Braziliense