Faltam praticamente seis meses para a eleição geral de 2022. No RN, somente a reeleição da governadora Fátima Bezerra coloca-se na disputa, além de partidos menores.A oposição está sem definição.

O quadro já é consumado?

Não. Pode mudar.

Marco Maciel dizia, que “enquanto há prazo, há tempo”.

O que se comenta é o deputado Ezequiel Ferreira de Souza como candidato da oposição ao governo, entretanto sem confirmação oficial.

Um bom nome. Mas, será que o “silêncio” dele o beneficia?

Ou assemelha-se ao aforisma de Adriana Falcão, roteirista da Rede Globo, quando diz: “Indecisão é quando você sabe muito bem o que quer, mas acha que devia querer outra coisa”.

O cenário indefinido revela a falta de ações compatíveis com a conjuntura política que vivemos.

A classe política local teima em não querer enxergar.

Sempre raciocina com base em precedentes passados, que deram certo, tais como, “apoios”, “colégios eleitorais”, “marketing” sofisticado, “nominatas”, “caixa de campanha” e vai por aí.

Atualmente, tais fatores influem, em parte, na eleição proporcional.

Na majoritária, a realidade é outra, totalmente diferente.

Em período pós pandemia e violenta crise econômica, uma campanha política não pode ser unicamente “tática”, mas sim “estratégia”.

Sun Tzu, o chinês, alertava que “tática sem estratégia é o ruído antes da derrota”.

Abraham Lincoln dizia, “que nunca se conseguirá convencer um rato de que um gato traz boa sorte”.

Pavarotti afirmava que fazer política sem estratégia, é o mesmo que fazer amor por correspondência.

Candidato majoritário competitivo necessita apresentar-se com “algo mais”, que seriam experiência e propostas concretas, causando impacto de gestão e criatividade política ao eleitor.

Essa exigência acentua-se diante da descrença na classe política.

Aliás, há exemplos passados, que justificam essa cautela..

Em 1994, no RN, a ex-prefeita de Natal Vilma de Faria candidatou-se ao Governo do Estado, como o “novo”.

Perdeu a eleição.

Fernando Bezerra, senador e candidato a governador, encarnou o empresário novo, líder nacional da indústria e amargou a mesma experiência.

Ambos eram nomes dignos, mas falharam na estratégia.

Consideraram-se vitoriosos, antes das urnas abrirem.

Já em 2002, Vilma na largada da campanha era a última colocada nas pesquisas.

Montou estratégia ousada, embora não somasse apoio sequer de dez prefeitos.

Ganhou a eleição.

Vamos esperar e ver como ficarão as coisas em 2022.

Debilitado na economia, o RN dá sinais de colapso político, quase caminhando para o WO na disputa pelo governo, que seria a vitória dada pelo fato do adversário não competir.

No passado, não era assim.

O estado era dos mais politizados do país.

Recordo que em 1960 recebi convite de Sales da Cunha e Hélio Vasconcelos para presidir um “Comitê” de estudantes, em prol da candidatura de Djalma Marinho, ao Governo do Estado.

A primeira providência foi realizar debates para sugerir ideias e propostas ao candidato.

Hoje, existem inegavelmente nomes capazes, mas não se sabe “para onde caminha o RN”.

Tudo é escondido em “cúpulas partidárias” hermeticamente fechadas, que não dão chances a ninguém e só favorecem escolhas de algibeira, sem a credibilidade que inspire confiança ao eleitor.

Na falta dessa credibilidade, até na escolha dos vices e suplentes, o naufrágio torna-se iminente e abre portas para aventureiros.

Essa conjuntura estadual reflete o país, transformado em latifúndio privado, com os partidos na defesa de interesses pessoais e de grupos.

As siglas são propriedades privadas, custeadas pelo dinheiro público.

Praticam crimes de responsabilidade, todos aqueles que, com deveres públicos, cruzaram os braços e facilitam a propagação dessas distorções, por não terem eliminado as causas da doença, através de mudanças políticas.

Quando um dia for indagada a causa desse quadro desolador, a resposta será a omissão da atual classe dirigente.

Afinal, no frigir dos ovos, o que foi feito de concreto para combater essa pandemia política?

Nada. Absolutamente nada.

Vergonhosamente, o governo e o Congresso Nacional engavetaram a reforma político-eleitoral.

E deu no que está dando.

Fonte: Tribuna do Norte