Foto: Alen Santos PR

Arrependidos de terem votado em Jair Bolsonaro em 2018 apostavam todas as fichas na capacidade do ex-juiz Sergio Moro de deslanchar nas pesquisas de intenção de votos, a ponto de chegar em outubro com chance de disputar um segundo turno contra Lula, do PT. Mas, decepcionados com o desempenho do ex-xerife da Lava-Jato, começam a se reagrupar em torno de Bolsonaro.

Dados de posse do Palácio do Planalto apontam que Bolsonaro subiu em todos os estratos de eleitores, de todas as regiões. E isso está se dando, principalmente, porque a direita voltou a se reorganizar, movida pelo sentimento antipetista. Mesmo quem dizia, até bem pouco tempo, que jamais voltaria novamente em Bolsonaro já repensa essa posição.

Para integrantes do Planalto, resta saber até que ponto a direita caminhará unida com vistas a outubro. Por isso, a determinação de Bolsonaro é engrossar o discurso conservador, mas, ao mesmo tempo, investir em medidas populistas para tentar irrigar a economia.

Outro ponto destacado por integrantes do Planalto é que a direita consegue se organizar melhor para atingir seu objetivo do que a esquerda, sempre dividida. “Quando ficar bem claro que Moro não terá condições de se eleger, a perspectivas é de que a maior parte de seus eleitores partam para o voto útil em favor de Bolsonaro”, assinala um assessor da Presidência.

Esse mesmo assessor se arrisca a dizer que, se insistir na candidatura, Moro pode repetir o fracasso de Marina Silva na eleição de 2018, quando ficou atrás até de Cabo Daciollo. “Não tem jeito, os direitistas, mesmo que com ressalvas, vão votar em peso em Bolsonaro para impedir a volta de Lula ao poder”, frisa.

Com informações do Correio Braziliense/ Por Vicente Nunes