Não tem sido fácil para Governadora Fátima Bezerra (PT) os dias de estilingue à vidraça quando se fala de piso salarial dos professores, sua categoria de luta sindical de uma vida.Foi reivindicando pelo direitos dos professores que a professora Fátima deixou a sala de aula para ser a voz da classe nas ruas, greves, assembleias, Câmara Federal e Senado.

Aí vem a roda viva, e do lado de lá da mesa de negociações, a governadora não consegue concretizar o que parecia fácil quando só representava um sentimento coletivo.

E não por falta de vontade-, diga-se.

Fátima Bezerra governadora sabe que não tem como atender o reajuste da categoria. São limites postos pela vida reaL; pelo dinheiro no cofre, inclusive. E a falta dele.

Em entrevista ao jornalista Juca Kfouri ela até riu – como se de nervoso fosse – e soltou: “Esta greve é muito grave”. Os colegas não gostaram do tom e do dito.

A greve é grave. E não de hoje.Deixa milhares de alunos sem esperança de retomar a vida escolar.

Está nos cartazes justos para seus colegas que se viram representados nela ontem e hoje buscam a coerência de quem faria diferente…

“Quem com piso fere, com piso será ferido”. Em ano eleitoral?

TL