Foto: Reprodução

O vereador Antônio Bezerra Franco (PSB), de Tucumã, no Pará, sugeriu que animais em situação de rua fossem usados para servir de alimento de leões e onças em zoológicos. A fala foi dita durante sessão ordinária sobre proteção animal, na Câmara dos Vereadores no dia 25 de novembro.

A reunião tinha como pauta um projeto de lei apresentado pela vereadora Davina Rodrigues (MDB) que propõe a destinação de R$ 40 mil anualmente para animais em situação de rua na cidade.

“Quem tem animal, tem que cuidar. Cada qual cuida do seu animal. Os que estão na rua, uns caras passam de carreta, recolhem, fazem exames e levam pro zoológico. Acho que a cidade que tem mais gato no Brasil é aqui, Tucumã. Os caras colocam os gatinhos no lixão e vai espalhando pela cidade. Gato é muito pequeno, acho que não dá nem uma dentada pra um leão, mas quem tem seus cachorros tem que cuidar”, disse ele.



Em outro momento, perguntam para o vereador se ele pretende matar cachorros e ele responde dizendo: “É, ué! Leva para o zoológico, coloca para fazer exames e lá, eles comem. Os leões e as onças”.

Retratação e repercussão

O vereador chegou a se retratar em uma sessão alguns dias depois e disse que reconheceu o erro.”Quero retratar que errei, reconheço meu erro. Jamais desejo isso. Quando passo sono e passo muita fome, eu passo mal. Só o que estavam falando era nesse projeto, e já caminhava para uma hora da tarde. A sessão terminou 12h45. Então, povo de Tucumã e do Brasil, jamais eu vou desejar matar cachorro”, disse ele.

Em entrevista ao SBT de Tucumã, Antônio falou que as palavras foram distorcidas e que jamais pensou em fazer isso, se referindo a matar os animais. “As pessoas, às vezes, distorcem e tiram palavras da boca da gente pra falar o que a gente não pensa. O povo de Tucumã me conhece e sabe da minha força de vontade de ver acontecer o melhor pra nossa cidade. Eu relatei, na época, que já aconteceu isso em algumas cidades. A pessoa tinha uma carretinha, acolhia e levava (o animal) pro zoológico. Mas aí, houve distorções e colocaram palavras na minha boca, de algo que não está no meu coração”, desabafou.

Sobre o projeto que estava sendo votado no dia da fala polêmica, Antônio disse que será aprovado. “Iremos aprovar o projeto dentro da legalidade. Eu apoio todas as associações e ONG’s que querem fazer o melhor pro nosso município. Jamais serei contra um projeto que zela pelos cachorrinhos. Lá em casa tem três, todos adotados, estão gordos e sadios”, encerrou.

O delegado Bruno Lima, ativista dos direitos dos animais, chegou a se pronunciar nas redes sociais contra a fala. “Tomaremos as medidas cabíveis contra a declaração do vereador”, declarou.

Correio Braziliense