Foto: Reprodução

O fim de semana alegre de uma família se converteu em momentos de angústia no Piauí. Uma adolescente de 13 anos, identificada como Maria Rita, se afogou ao ter o cabelo sugado pelo ralo da piscina em uma residência. A jovem ficou dois minutos submersa e foi salva após ter o cabelo cortado com uma faca e sido retirada da piscina por pessoas que presenciaram o acidente. O episódio aconteceu no último domingo (5/12), em Água Branca, a 97 km de Teresina.

A menina estava brincando com outras crianças quando foi sugada, os cabelos longos da jovem ficaram presos no ralo e demorou cerca de dois minutos para que as pessoas presentes percebessem o que estava ocorrendo. No vídeo que circula nas redes é possível ver um homem que se levanta rapidamente ao notar a angústia da garota, pega uma faca e corta o cabelo dela.

Os familiares se desesperam e a menina é retirada da piscina desacordada. Maria recobrou a consciência depois de receber uma massagem cardíaca e respiração boca-a-boca. Após o acidente, a mãe da adolescente, Rozana Pimentel, compartilhou nas redes sociais o vídeo da câmera de segurança que flagrou o momento. “O que eu e minha família sentimos, o medo e o desespero de saber que poderíamos ter perdido ela, não desejamos para ninguém”, reconheceu.

Recomendações

Como forma de alerta a telefonista escreveu na postagem o relato do acidente. “Decidi compartilhar essas imagens para que possam conhecer o perigo desse tipo de aparelho”, disse a mãe de Maria. Depois do susto, ficaram algumas lições e Rozana aproveitou as redes sociais para fazer algumas recomendações.

“Ensine seus filhos a localizarem esse sugador ou ralo e os perigos do mesmo, para que não cheguem perto”, aconselhou a mãe. “Quanto às pessoas que acompanham as crianças, fiquem sempre de frente para piscina observando tudo; quanto aos donos, conheça bem esse método, agende o processo de filtragem somente quando a piscina estiver fechada e se possível instale ao menos dois dutos de sucção para diminuir a força em cada um deles”, recomendou Rozana.

Correio Braziliense