Um grupo de cientistas que criou simulações de computador para investigar interações entre proteínas relacionadas ao mal de Alzheimer descobriu que o sildenafil, princípio ativo do Viagra, tem uma chance razoável de ajudar a prevenir a doença.Para testar a hipótese, os pesquisadores investigaram dados de planos de saúde nos EUA e viram que a incidência desse transtorno neurológico, que afeta a memória, foi 69% menor entre pacientes que tomaram a droga contra disfunção erétil ao longo de um período de 6 anos analisado.

O resultado da pesquisa, liderada pela Clínica Cleveland, de Ohio (EUA), foi publicado hoje em um estudo na revista Nature Ageing. No trabalho, os cientistas detalham como chegaram à indicação do Viagra como droga candidata para o Alzheimer. O grupo, porém, pede que a ideia seja levada adiante com cautela, pois a correlação vista no estudo ainda não é resultado de um teste clínico com aplicação direta da droga em voluntários.MAIS >