Foto: Arquivo

O Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Saúde do Rio Grande do Norte (Sindsaúde), denunciou nesta quinta-feira (7), o desabastecimento de insumos no maior hospital público de urgência e emergência de Mossoró.Segundo o diretor do Sindsaúde, João Morais, um paciente passou por uma sessão de “tortura” no Hospital Regional Tarcísio Maia (HRTM), por falta de anestesia.
“Um paciente idoso que estava internado em uma UTI precisou passar por um procedimento sem anestesia. Mesmo em coma, o homem se contorcia de dor e os profissionais precisam terminar o procedimento para salvar sua vida. Como fica o paciente diante desta tortura?”, relatou.

O sindicato espera um posicionamento do Governo do Estado e da Secretaria de Saúde Pública sobre o desabastecimento no HRTM. “Os servidores não aguentam mais trabalhar sem o mínimo e os pacientes não podem seguir sem um atendimento digno!”, destacou.

Ao sindicato, os servidores da unidade relataram a falta de: fio para sutura de todos os tipos; anestésico para anestesia local; vários tipos de antibiótico; fita para fazer o exame de glicemia (HGT); soro Ringer simples e Ringer Lactato; Luva de procedimento, os profissionais estão usando luva de estéril há mais de um mês; Bomba de seringa multivias, eletrodos; equipo para Bomba de Infusão fotossensível e normal; jelco de todos os números; placa de hidrocoloide; curativos especiais para Escara; plasil e bicarbonato de sódio; sonda nasogástrica e sonda vesical; bolsa que conecta na sonda; cânula de traqueostomia, inclusive, a família dos pacientes que estão comprando; lâmina de bisturi todos os tamanhos; agulha 40x12; cateter duplo lumen; oxivir que serve para limpar as camas dos pacientes; hidrogel; papel toalha e copo descartável para a copa.  

Fonte: MossoróNotícias