Com participação do vice-presidente da República do Brasil, Hamilton Mourão, o candidato de esquerda Pedro Castillo tomou posse nessa quarta-feira, em Lima, (28) como presidente do Peru.Durante o discurso de posse, o presidente reconheceu que o país está atrasado em relação ao combate à Covid-19, mas ressaltou que espera vacinar 70% da população até o fim deste ano. Segundo ele, os profissionais da educação devem ser prioridade na imunização contra o novo coronavírus.

Ainda sobre o tema, o chefe do Executivo peruano comentou que vai declarar a educação pública como estado de emergência para conseguir dobrar o investimento no setor.

Castillo prometeu manter o combate a corrupção, mas reclamou que a Lava Jato só prendeu políticos até o momento, enquanto empresários seguem soltos. Ele também defendeu uma nova Constituição.

“Juro pela população do Peru, por um país sem corrupção e por uma nova Constituição”, bradou.

O mandatário peruano afirmou querer uma economia para manter a “ordem e a previsibilidade”. Ele disse que o banco estatal do país vai concorrer com empréstimos privados. De acordo com Castillo, um “novo pacto” com investidores privados deve ser formando, mas informou que não vai nacionalizar a economia “mesmo remotamente”.

O novo presidente, no entanto, também fez algumas declarações polêmicas. Além de afirmar que a estatal Petroperu vai trabalhar para regular o preço final dos combustíveis, Castillo disse que a mídia deve ser “melhor regulada”. RP