Há três anos a Liga do Nordeste vinha estudando a ampliação da Copa do Nordeste, mas sem mexer na fase principal, com contratos firmados e calendário restrito. Ou seja, com 16 clubes e 12 datas. Portanto, a reformulação, grande, ocorreu na fase preliminar.

Criada em 2018 para enxugar a fase principal, de 20 para 16 clubes, a “Pré-Copa do Nordeste” agora será bem mais ampla. O número de participantes na seletiva triplicou, de 8 para 24. O blog apurou detalhes sobre a nova composição, que vale já para 2022 – ou seja, mudando o que já parecia certo.

Nesta ampliação em cima da hora, pois o novo regulamento deve ser publicado em poucos dias, visando a tabela da preliminar ainda em 2021, todos os nove estados da região foram contemplados com pelo menos uma vaga adicional. Assim, a representação mínima será de três equipes por unidade, sendo uma já na fase principal. Entretanto, o regulamento permite que uma só federação possa ter, em tese, até sete representantes (sendo dois já na fase principal). Em 2022, o máximo será de seis times de um mesmo estado. No caso, a Bahia.

Com a mudança, nomes tradicionais ganharam um lugar após ficarem de fora na lista original para 2022, como América (17ª participação) e Santa Cruz (16ª), que seriam os ex-campeões da Lampions ausentes – o alvirrubro potiguar ganhou em 1998 e o tricolor pernambucano levou em 2016. Além disso, pintaram estreantes como Central de Caruaru e Fluminense de Teresina.

A mudança não ocorreu na fase principal, tentando evitar críticas mais duras sobre “virada de mesa”. Afinal, ninguém perdeu a vaga nem o lugar onde estava. Porém, na minha opinião, esse tipo de mudança/ampliação, sendo anunciada hoje, só deveria valer de fato em 2023.

Leia a distribuição de vagas do Nordestão AQUI

Fonte: Cassio Zirpoli
Foto: Reprodução