Foto: Ilustrativa

A Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, patrimônio histórico cultural da cidade do Natal, foi alvo de arrombamento e roubo por três vezes em menos de um mês. O templo que fica localizado na Cidade Alta, foi invadido na última semana do mês de abril. Na primeira atuação, os suspeitos entraram pela porta lateral da igreja e levaram peças sacras utilizadas nos ritos das missas, batizados e casamentos.

A porta da Igreja foi reforçada, mas ainda assim os ladrões retornaram no dia seguinte ao primeiro arrombamento, e dessa vez levaram mais castiçais usados nas celebrações, além de ventiladores, refletores de luz e um jato de água, objeto de limpeza dos utensílios.

Uma semana depois da segunda invasão, aconteceu mais uma investida criminosa. Nesta última tentativa que aconteceu na sexta-feira (30), os criminosos forçaram a entrada no templo por outra porta, com uso de pé-de-cabra, e levaram o restante dos materiais litúrgicos da congregação e uma placa de ferro em comemoração à igreja que estava localizada na fachada.

Na ação, os criminosos também roubaram objetos do Monsenhor Lucilio Machado, que foi reitor do Seminário de São Pedro (1958-1968), reitor da Catedral Metropolitana de Natal e também da Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. Ele faleceu ano passado em decorrência de um Acidente Vascular Cerebral, aos 91 anos, e foi sepultado no local. Os objetos estavam dispostos dentro de um armário na igreja. Antes de saírem, os criminosos depredaram uma imagem de Nossa Senhora.

Por ser um patrimônio histórico, o Pe. Valdir Cândido, que também é pároco no local, explicou que a maior dificuldade após os crimes é conseguir reformar os lugares que foram forçados no templo.

“Como a estrutura da igreja é antiga, eu não posso chegar ali e mudar uma porta. Porque é tombado, é um patrimônio. Até para pintar eu preciso pedir autorização do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional)”, relatou.

Após as invasões, as portas apenas puderam ser reforçadas com ferrolhos e cadeados mais potentes. Depois do segundo atentado, o pároco, contratou uma empresa de segurança para monitorar a igreja. Como a companhia dá um prazo de cinco dias úteis para instalação dos equipamentos de vigilância, o recurso não estava ativo na noite do último arrombamento, ocorrido no dia 30. A instalação começou a ser feita na segunda-feira (3).

Após o crime, a Igreja fez um Boletim de Ocorrência na Polícia Civil, relatando os danos e listando os objetos perdidos. Alguns castiçais roubados foram encontrados pelo pároco em um site de vendas, com endereço no Ceará. A informação também foi repassada para a Polícia.

Em contato com a assessoria da Polícia Civil, o órgão informou que o caso será investigado pela 2º Distrito Policial de Natal.

O valor estimado com a perda dos materiais é de R$ 20 mil. A Arquidiocese de Natal lançou uma campanha entre os fiéis para arrecadação do dinheiro. No primeiro dia de campanha, já foi arrecadado mais de R$ 4 mil, notícia vista com muita alegria pelo administrador da Igreja.

TRIBUNA DO NORTE