BRASIL

Em todas as capitais apoiadores do presidente Jair Bolsonaro foram às ruas neste dia 1º de maio!Os participantes exibiam faixas com críticas às recentes decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) e aos govenadores e prefeitos.23 horas atrás

Capitais do país registraram manifestações a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) neste sábado, 1º de Maio, data em que se comemora o Dia do Trabalho.

Os participantes exibiam faixas com críticas às recentes decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) e aos govenadores e prefeitos.

No Rio de Janeiro, que é um tradicional palco tradicional de mobilizações políticas, o ato começou logo cedo, em Copacabana, com as ruas completamente lotadas.

O voto impresso e a garantia das liberdades individuais foram as principais pautas defendidas pelo apoiadores do presidente da República.

Com bandeiras do Brasil e trajes nas cores do país, os manifestantes carregavam faixas de apoio a Bolsonaro, incluindo os dizeres ‘Eu, autorizo presidente’, em referência à recente fala do chefe do Executivo sobre aguardar um sinal da população para intervir contra medidas autoritárias de Estados e Municípios.


O presidente Jair Bolsonaro sobrevoou a Esplanada dos Ministérios na manhã deste sábado. O chefe do Executivo saiu às 11h do Palácio da Alvorada e seguiu em direção à região central de Brasília, onde apoiadores se manifestavam a favor do governo. Às 11h40, a aeronave retornou à residência oficial.

Bolsonaro comentou sobre atos do Dia do Trabalhador. Disse que as comemorações mudaram em seu governo. “No passado, nesta data, no 1º de maio, o que mais víamos no Brasil eram camisas e bandeiras vermelhas tremulando como se aqui fosse um país socialista”.

“Essa questão [das comemorações do 1º de maio] mudou hoje e bastante. Hoje estamos tendo o prazer e a satisfação de ver bandeiras verde e amarela por todo o nosso país, homens e mulheres que trabalham de verdade, que sabem que o bem maior que podemos ter é a liberdade, e com a união dessas pessoas de bem podemos aproveitar esse nosso direito”, completou.

OPortomanguense