A sub-PGR Lindôra Araújo encaminhou ao STJ pedido de abertura de investigação sobre as acusações contra desembargadores do Tribunal de Justiça de Goiás (GO), informa o Estadão.
O MPF quer que se apure se os magistrados receberam vantagens indevidas do padre Robson de Oliveira, investigado pelo Ministério Público goiano por supostos crimes de lavagem de dinheiro, apropriação indébita e falsidade ideológica.

Segundo a Procuradoria, os crimes teriam sido cometidos por meio de associações geridas pelo padre, como a Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), que teriam movimentado em torno de R$ 2 bilhões ao longo de dez anos.

O pedido de investigação foi encaminhado após veiculação de reportagem do “Fantástico”, da Rede Globo, no último domingo (21).

Novos áudios mostram uma conversa entre o sacerdote e dois advogados sobre o suposto pagamento de propina de R$ 1,5 milhão a desembargadores do TJ goiano.

RP