Foto: MARIANO GABRIEL SANCHEZ/ANADOLU AGENCY VIA GETTY IMAGES

Autoridades de saúde da Argentina tiveram que descartar 400 doses da vacina Sputnik V, desenvolvida na Rússia, depois de uma suspeita de sabotagem. O freezer em que elas eram armazenadas foi desligado sem autorização durante a madrugada de segunda-feira (4/1) – a conservação em temperatura inadequada compromete o uso de vacinas. O ministério da Saúde da província de Buenos Aires avaliou o fato como de “extrema gravidade”.As vacinas estavam no Hospital de Oncologia Luciano Fortabat, na cidade de Olavarría, a 350 km de Buenos Aires. Por volta das 02h50, a transmissão das imagens das câmeras que faziam a segurança do freezer onde estavam guardadas as doses foi interrompida e movimentos suspeitos foram registrados nas proximidades do hospital.


De acordo com o diretor da Região Sanitária IX, com jurisdição em Olavarría, Ramiro Borzi, “ficou em evidência uma série de fatos irregulares graves”. “Estávamos com muitíssima expectativa e nos deparamos com isto que não sabemos bem o que foi, se é uma sabotagem ou um boicote”, completou.

A população da Argentina começou a ser vacinada contra a Covid-19 na última terça-feira (29/12), depois que o país recebeu as primeiras 300 mil doses fabricadas pelo Instituto Gamaleya. A Argentina foi o terceiro país da América Latina a receber o imunizante do laboratório russo.

Metrópoles