Foto: Reprodução

Afetada pela crise econômica provocada pelo coronavírus, a companhia aérea Latam informou nesta sexta-feira (31) que vai iniciar um processo de demissão de, no mínimo, 2,7 mil pilotos e comissários. O corte equivale a 38% do total de tripulantes, segundo o Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA).A empresa anunciou a decisão depois que as negociações com o sindicato dos trabalhadores foram encerradas. Nesta sexta, tripulantes rejeitaram que o SNA continue discutindo com a companhia aérea uma redução permanente de salários.

Em comunicado, a empresa afirmou que decidiu abrir um pedido de demissão voluntária (PDV) de hoje até 4 de agosto. Depois, serão iniciados os desligamentos.


“A Latam é a maior e mais antiga das três empresas que atuam no Brasil e remunera mais os tripulantes tanto em voos domésticos quanto em internacionais, por isso, a empresa tem a necessidade de equiparar-se às práticas do setor”, informou a companhia em nota.

Recuperação judicial

Como todo o setor aéreo, a Latam tem enfrentado bastante dificuldade para sobreviver aos estragos provocados pela crise econômica. No início deste mês, a Latam Brasil entrou com um pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos.

Em maio, o grupo Latam Airlines e suas afiliadas no Chile, Peru, Colômbia, Equador e Estados Unidos já tinham entrado no processo de reestruturação de dívida sob a proteção do Capítulo 11 da lei de falências dos Estados Unidos, que permite um prazo para que as empresas se reorganizem financeiramente. Naquela ocasião, entretanto, a Latam Brasil tinha ficado de fora.

A Latam Brasil tem uma dívida de R$ 7 bilhões, principalmente com empresas de leasing e bancos. O endividamento de todo o grupo é de US$ 10 bilhões. Incluindo as provisões futuras, a dívida salta para US$ 17,9 bilhões. Com informações do G1/Economia.