© Fabio Pozzebom/Agencia Brasil


Comissão pede que família Bolsonaro fique longe de eleições americanas

Declaração foi feita após Eduardo Bolsonaro postar vídeo em apoio à reeleição de Trump. “Nós já vimos esse filme antes. É vergonhoso e inaceitável”, escreveu o presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara.Antes da posse do pai como presidente, Eduardo Bolsonaro visitou os EUA e usou boné em apoio a Trump.

O Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Representantes Estados Unidos pediu na noite desta segunda-feira (27/07) que o presidente Jair Bolsonaro e sua família fiquem “de fora das eleições americanas”.

“Nós já vimos esse filme antes. É vergonhoso e inaceitável. A família Bolsonaro precisa ficar de fora das eleições dos Estados Unidos”, escreveu o presidente do Comitê, o senador democrata Eliot Engel, na conta oficial do órgão no Twitter.

A mensagem se refere a uma publicação feita por Eduardo Bolsonaro nesta segunda-feira. O deputado federal, filho de Bolsonaro, postou em sua conta no Twitter um vídeo acompanhado do slogan “Trump 2020”.

No vídeo de cerca de dois minutos, é possível ver cenas dos ex-presidentes democratas Bill Clinton e Barack Obama e da candidata democrata derrotada nas últimas eleições, Hillary Clinton. Entre as imagens, é exibida a seguinte mensagem em inglês: “Primeiro eles te ignoram. Depois, riem de você. Depois te chamam de racista.”

Em seguida, entre cenas de Trump em comícios e eventos públicos, incluindo uma do encontro do presidente americano com Jair Bolsonaro, uma nova mensagem: “Donald J.Trump. Seu voto mostrou que eles todos estavam errados”. O vídeo se encerra com a mensagem: “Trump, a grande vitória 2020.”

Trump buscará a reeleição à Casa Branca em novembro, tendo como principal adversário o democrata Joe Biden, ex-vice presidente durante a gestão Obama e que aparece como favorito nas pesquisas de intenção de voto.

Embora não seja comum presidentes apoiarem candidatos de outros países, a fim de manter as boas relações diplomáticas independentemente de partidos, Bolsonaro não tem seguido a cartilha. Em transmissão ao vivo pela internet em meados de julho, o presidente brasileiro voltou a dizer que torce por Trump, mas que tentará manter uma boa relação com Biden, caso o democrata vença as eleições.

Em junho de 2019, em viagem ao Japão, Bolsonaro também comentou o apoio à reeleição de Trump. Na viagem, o presidente esteve acompanhado do filho Eduardo, que na ocasião disse que “Trump e Bolsonaro mais parecem velhos amigos que se gostam de graça, o que abre espaço para um diálogo franco e cordial.”

Por:dw.com