Foto: Ricardo Stuckert/PR

Carta ao Leitor – Revista Veja

A cena foi constrangedora. De mãos dadas com a primeira-dama Janja, ao lado do assessor especial Celso Amorim e do chanceler Mauro Vieira, o presidente Lula desceu a rampa do Palácio do Planalto para receber, com pompa e circunstância, um convidado especial. Na expectativa de dar um caráter ainda mais simbólico ao evento, não faltaram os Dragões da Independência, com seus capacetes em formato de dragão e lanças nas mãos. Do carro posicionado em frente à sede da Presidência da República, saltou o personagem merecedor de tanta honraria, ele também ao lado da mulher: o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, há uma década no poder, sucessor de uma dinastia que comanda o país vizinho há 25 anos. Depois do aperto de mãos e de uma reunião protocolar na sala da Presidência, Lula fez um pronunciamento e classificou o encontro como “um momento histórico”.

De fato, foi. Mas não pelas razões que o presidente imagina. A recepção calorosa a Maduro, infelizmente, entrará para a história como um dos capítulos mais tristes de seu terceiro mandato. Numa eleição extremamente apertada, Lula deve sua atual Presidência, vale ressaltar, a uma parcela dos eleitores que votaram no seu nome em defesa da democracia brasileira. Seu antecessor, Jair Bolsonaro, atacou por diversas vezes as instituições e muitos viam em Lula um antídoto contra o golpismo nostálgico da extrema direita. Uma vez empossado, no entanto, o presidente parece ter esquecido os ideais democráticos para enaltecer um regime que, atropelando todos os princípios básicos do livre pensar, se estabeleceu como dominante na Venezuela. São casos e casos comprovados de tortura, perseguição política, manipulação, corrupção, censura e desaparecimentos. Não se trata de uma questão de opinião. Os relatos são avalizados por entidades internacionais com profunda credibilidade, como o Tribunal de Haia e a Organização das Nações Unidas. Curiosamente, há quem enxergue em Bolsonaro características que estavam presentes no idealizador do regime bolivariano, Hugo Chávez, que, aliás, não tinha posições de esquerda no princípio — era um militar de baixa patente, de postura autoritária.

Na política, assim como em outras áreas da vida, o ponto de equilíbrio é a chave para o sucesso. De forma pragmática, pessoas de bom senso são favoráveis ao reatamento das relações diplomáticas com a Venezuela, país com o qual temos imensa fronteira e talvez algumas perspectivas de negócio. O Brasil tem relevantes acordos comerciais com a China, por exemplo, país de regime autocrático. No terreno das preocupações mais mundanas, seria fundamental, também, que a Venezuela pagasse a dívida de 1 bilhão de reais com o governo brasileiro, contraída por meio de empréstimos feitos pelo BNDES. Aí então seria possível restabelecer a convivência necessária. Mas daí a tratar Maduro como herói do povo venezuelano, paladino dos bons valores, vai uma distância muito grande. O Brasil não ganha nada com isso — e Lula também não. A contradição com o seu discurso em defesa da democracia é, certamente, um momento lamentável para todos os que acreditaram em suas palavras.

Carta ao Leitor – Veja