A recuperação do mercado de trabalho e o pagamento do então Auxílio Brasil no valor de R$ 600 em 2022 levaram a população brasileira a experimentar uma melhora tanto no rendimento, quanto no nível de desigualdade – que chegou ao menor patamar em uma década, apesar de ainda ser uma das mais altas do mundo. As informações são da “Pnad Contínua: Rendimento de todas as fontes 2022”, divulgada nesta quinta-feira pelo IBGE.O índice de Gini domiciliar per capita, que mede a desigualdade, passou de 0,544 em 2021 para 0,518 em 2022, menor valor desde 2012, início da série histórica. O indicador varia de 0 e 1, onde quanto mais perto de zero, menor é a desigualdade de renda; e quanto mais perto de 1, maior é a desigualdade.

Alessandra Brito, analista do IBGE, lembra que a desigualdade havia aumentado na passagem de 2020 para 2021 diante da redução do valor do auxílio emergencial e de sua interrupção no final daquele ano, com um mercado de trabalho que ainda se recuperava de forma gradual. Mas a desigualdade recuou em 2022 por dois fatores principais:

— Essa redução da desigualdade é reflexo de um mercado de trabalho menos desigual. Além disso, teve o pagamento do programa do Auxílio Brasil, em substituição ao programa Bolsa Família, com valor de R$ 600. Tudo isso contribuiu — explica Alessandra Brito, analista do IBGE.

Ela faz uma ressalva:

— Apesar da diminuição, a desigualdade no Brasil ainda é alta, em comparação com outros países.

Em 2022, a renda do 1% mais rico (cuja renda domiciliar per capita é de R$ 17.447) era 32,5 vezes o rendimento médio dos 50% que ganham menos (R$ 537). Em 2021, essa razão era de 38,4 vezes.

A renda domiciliar per capita chegou a R$ 1.586, alta de 6,9% frente a 2021, quando havia registrado o menor valor (R$ 1.484) da série. Com isso, a massa do rendimento mensal real domiciliar per capita chegou ao recorde de R$ 339,6 bilhões.

Recorde de brasileiros com rendimento

Em 2022, 134,1 milhões de brasileiros receberam algum rendimento (seja do trabalho, programas de transferências de renda, rentabilidade ou aposentadoria), o equivalente a 62% da população, recorde da série iniciada em 2012. Em 2021, esse percentual era de 59,8%.

O rendimento médio para os brasileiros com alguma renda chegou a R$ 2.533 – um aumento em relação ao valor médio recebido em 2021 (R$ 2.483), quando a renda despencou e atingiu o menor valor da série histórica.

Ainda assim, o brasileiro não recuperou todas as perdas: ele ganhou, em média, menos do que há uma década, quando recebia R$ 2.600 em 2012, ano de início da pesquisa. O estudo considera os preços médios do último ano.

Segundo o IBGE, parte da melhora na renda teve relação com o aumento no valor do programa do Auxílio Brasil, que substitui o Bolsa Família durante parte do governo Bolsonaro e cujo valor passou de R$ 400 para R$ 600 no segundo semestre de 2022.

A entrada de 7,7 milhões de trabalhadores no mercado de trabalho após o baque da pandemia também impulsionou a renda do brasileiro.

— Lembrando que estávamos num ano eleitoral e isso afetou os rendimentos — destaca Alessandra Brito, analista do IBGE.

O Globo