O objetivo do mapeamento é identificar quais são as famílias que se identificam e se auto declaram como quilombolas nas comunidades remanescentes de quilombo existentes no município de Portalegre. Com isso, será possível saber a quantidade exata de pessoas residentes nas comunidades e também aquelas que, mesmo tendo saído de seu território, ainda se auto declaram pertencentes.
A primeira comunidade a ser visitada foi o Pêga, na quinta-feira, dia 11. Os moradores levaram todos os documentos dos membros da família e, após serem cadastrados nos sistemas do Ministério da Igualdade Racial, receberão uma certificação onde poderão, a nível nacional, se identificar a qual comunidade pertencem.