Foto: Divulgação/Arquivo da vítima

De R$ 7,90, uma mulher de 60 anos, moradora de Curitiba, pagou mais de R$ 4 mil em uma corrida que partiu da rodoviária para o bairro Hugo Lange, uma distância de 3,5 quilômetros. O caso aconteceu na terça-feira (21).

Segundo a vítima, que prefere não ser identificada por medo de retaliação, ela perdeu o dinheiro ao pagar a viagem da cunhada, que estava indo visitá-la.

Câmeras de segurança registraram o momento em que o carro, conduzido por um motorista que dizia ser da empresa Uber, chega ao destino final.

“O motorista chegou com a minha cunhada e ela tentou pagar com o cartão de crédito ou dinheiro, mas ele não aceitou. Ele disse que só aceitava no débito, que era uma regra da empresa. Aí ela me pediu para eu passar o meu cartão”, lembrou.

A cunhada da vítima entrou no carro do motorista na rodoviária, após ser abordada por ele enquanto caminhava para pegar um táxi.

“Quando minha cunhada estava vindo para Curitiba, eu disse para ela pegar táxi e não Uber. Mas quando ela estava indo fazer isso, o homem chegou do nada e perguntou se ela queria uma corrida, porque ele era motorista de aplicativo. Ela acabou aceitando”.

Tela quebrada

A mulher disse que, na hora de pagar a corrida, percebeu que a tela da máquina estava quebrada. Ela lembra que achou estranho, mas não contestou.

Ela disse, também, que antes de fazer o pagamento, o homem mostrou o valor da corrida na tela do celular.

“Na hora eu vi que estava estranho, mas paguei mesmo assim. Entramos em casa e pouco tempo depois eu recebi uma mensagem do banco dizendo que tinha saído dinheiro da minha conta. Quando eu olhei, tinha perdido R$ 4.115,00”.

O valor levado pelo golpista, segundo a vítima, era todo o salário do mês, que ela tinha recebido há poucos dias. A mulher é professora na capital paranaense.

Denúncia

A mulher contou que quando percebeu o golpe, foi ao banco para tentar recuperar o dinheiro, mas sem sucesso.

Mais tarde, no mesmo dia, prestou queixa na Delegacia de Furtos e Roubos. Ela disse que a polícia identificou o homem através dos dados da máquina do cartão.

“Nós chegamos a achar o homem nas redes sociais, vimos as fotos dele […] Mas agora me pediram para fazer a denúncia na Delegacia de Estelionato”.

Até o fechamento desta reportagem, ninguém tinha sido preso.

Orientação da Uber

Em nota, a Uber informou que todos os motoristas da empresa só podem ser acionados via aplicativo, reforçando que os colaboradores não são orientados a abordarem pessoas para corridas.

“A Uber também possui a ferramenta U-Código, em que o usuário pode optar por receber uma senha de quatro dígitos, que deve ser dita ao motorista para que ele consiga iniciar a viagem no aplicativo, confirmando que os dois estão na viagem correta”.

g1