“Infantilidade”. Assim, o deputado estadual Nelter Queiroz classificou a disputa velada entre os ministros Rogério Marinho (sem partido) e Fábio Faria (PSD) pelo apoio político do presidente Jair Bolsonaro para o Senado Federal do Rio Grande do Norte (RN). Para ele, isso só prejudica aos dois políticos potiguares e fortalece os opositores, aliados da governadora Fátima Bezerra (PT).

“É infantilidade dos dois. Veja só, eu tenho o maior respeito a Rogério Marinho e inclusive vou votar nele. E já disse a Fábio que gosto dele, votei nele pra deputado federal, mas espero que ele faça uma reflexão porque a maioria dos prefeitos e vereadores do Estado quer Rogério Marinho como senador. Não há como disputar. Está sendo bom para quem? Está sendo bom para Fátima, essa é a realidade”, explicou, durante entrevista à 94 FM Rádio Cidade.

Nelter Queiroz afirmou que Rogério Marinho é o nome escolhido devido ao trabalho desenvolvido por este em diversos municípios potiguares, que vem ajudando a melhorar a qualidade de vida da sociedade. Para ele, a próxima eleição para escolha do terceiro senador pelo Rio Grande do Norte é o momento ideal para o potiguar refletir sobre essas mudanças.

“Tivemos uma sorte grande. Um estado pobre como o nosso e Bolsonaro escolher uma pessoa do nosso estado, que não tem mandato, para ser ministro de uma pasta grande. Se não fosse isso, estaríamos numa situação cada vez pior. E ele, por sua competência, está viabilizando obras importantes para todo o Estado do Rio Grande do Norte”, finalizou.

Garibaldi não vai entrar numa “barca furada”


Sobre a pré-candidatura do ex-governador Garibaldi Alves ao Senado Federal, anunciada recentemente pelo deputado federal Walter Alves, o deputado Nélter Queiroz falou que o ex-governador tem uma experiência enorme, mas muitas lideranças e prefeitos, inclusive do próprio MDB, já possuem compromisso firmado com Rogério Marinho. E disse não acreditar que Garibaldi vá entrar numa “barca furada”.

“Com certeza, ele deverá conversar e ir para um federal, um estadual, vamos aguardar. Eu acho que, pela idade que ele tem e uma grande experiência política, é muito importante ter cautela porque a política hoje exige que se ande mais. Garibaldi adora andar, viajar, pegar estrada e ele não tem mais esse pique, até pela idade também. Não estou dizendo que ele está velho mas, eu mesmo, que tenho 65 anos, tem horas que eu ando, mas só eu sei o que estou passando”, finalizou.

Agora RN