Colin Powell – Foto: Joyce Naltchayan / AFP/13-12-2001

Primeiro homem negro a ocupar o cargo, Powell tinha 84 anos e estava totalmente vacinado; com ascensão de Trump, ele havia se afastado do Partido RepublicanoSecretário de Estado americano durante o primeiro mandato do ex-presidente George W. Bush e um dos arquitetos da Guerra do Iraque, Colin Powell morreu nesta segunda-feira vítima de complicações da Covid-19. Primeiro homem negro a liderar a política externa americana e a chefiar o Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, ele tinha 84 anos.

Em um comunicado divulgado pelo Facebook, a família não especificou quais foram as complicações do coronavírus que causaram a morte de Powell, mas afirmou que ele já havia tomado as duas doses da vacina anti-Covid. As injeções são amplamente eficazes contra a doença e, na maior parte dos casos, capazes de evitar casos graves e óbitos.

“Nós perdemos um marido, pai e avô notável e querido e um grande americano”, disse a família na nota, afirmando que ele estava sendo tratado pela equipe médica do Centro Médico Walter Reed, hospital militar na cidade de Bethesda, em Maryland, nos arredores de Washington

Os principais capítulos da vida pública do ex-soldado nova-iorquino envolvem o Iraque e a família Bush: em 1989, durante o mandato de George H. W. Bush, Powell liderou o Estado-Maior Conjunto durante a invasão do Panamá e, dois anos depois, na primeira Guerra do Golfo. Na época, conseguiu expulsar Saddam Hussein do Kuwait, mas não de Bagdá, onde permaneceria no poder pela próxima década.

Ao lado do então secretário de Defesa Dick Cheney, teve papel-central em redirecionar as ações militares americanas com o fim da Guerra Fria, dando-a o selo que ficaria conhecido como doutrina Powell: com claro apoio político e endosso da opinião pública, a tática era usar força esmagadora e decisiva para derrotar os adversários.

— Nossa estratégia em lutar contra esse Exército é muito simples — disse ele em 1991 em uma coletiva no Pentágono, resumindo qual seria sua marca dali para a frente. — Primeiramente, vamos cortá-los e, depois, matá-los.

Se o plano foi bem-sucedido no Kuwait, os anos seguintes trariam desafios mais contundentes. Powell deixou a carreira militar em 1993 como uma das figuras públicas mais populares dos Estados Unidos e, por anos, foi cogitado como um possível candidato à Presidência por ambos os partidos. Em 1995, chegou a considerar a ideia para o pleito do ano seguinte, mas decidiu não concorrer.

Uma das principais figuras públicas a morrer de Covid-19, Powell havia se distanciado do partido dos últimos anos, particularmente durante o mandato de Donald Trump, afirmando que não reconhecia mais a legenda. Chegou inclusive a participar da convenção do Partido Democrata de 2020 que confirmou a candidatura de Joe Biden à Presidência. Nas eleições de 2008 e 2012, também declarou voto ao democrata Barack Obama.

O Globo