O Papa Francisco se encontra com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, no Vaticano Foto: Handout /AFP

Presidente americano sofre ofensiva de setor conservador da Igreja americana, que pressiona pela excomunhão de políticos a favor do direito à interrupção da gravidezO Papa Francisco atestou nesta sexta-feira que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, é “um bom católico”, que não deve ser excomungado.

Biden, que quase nunca perde a missa dominical, sofre uma dura ofensiva de um setor da Igreja americana para privar os líderes políticos que apoiam o direito ao aborto legal, incluindo o próprio presidente, da comunhão.

Após um encontro com Francisco no Vaticano, Biden afirmou a jornalistas que o Pontífice lhe garantiu “que está feliz” com ele”, que considera o presidente americano “um bom católico” e que ele deve continuar a receber a comunhão.

Francisco já se manifestara sobre o tema em setembro, quando disse que considera o aborto “assassinato”, mas que “nunca negou a comunhão para ninguém”.


— A comunhão não é um prêmio para os perfeitos. A comunhão é um dom, a presença de Jesus e de sua Igreja — afirmou na ocasião.

Biden está em Roma para participar de uma cúpula do G20, antes de ir para Glasgow, na Escócia, na segunda-feira, onde participa da Conferência do Clima da ONU.

O encontro entre o primeiro papa latino-americano e o segundo presidente católico na História dos EUA teve uma duração mais longa que o costume. Segundo o Vaticano, a reunião privada durou uma hora e 15 minutos, e depois outros 15 minutos foram gastos para tirar fotos e trocar presentes.

Foi um dos encontros mais longos que o Papa argentino concedeu a um presidente dos Estados Unidos. Com Barack Obama, o Papa Francisco se reuniu por 52 minutos, e com Donald Trump, por 30 minutos.

O tema aborto não aparece em nenhuma das notas divulgadas. Segundo a Santa Fé, foram discutidos pobreza, mudanças climáticas, pandemia e migração na reunião.

Em sua nota, o Vaticano afirmou que “no decorrer de suas conversas cordiais, eles falaram do compromisso comum com a proteção e o cuidado do planeta, a situação da Saúde e a luta contra a pandemia de Covid-19, bem como a questão dos refugiados e da assistência aos imigrantes”.

Já a Casa Branca disse que ” presidente Biden agradeceu a Sua Santidade por sua defesa dos pobres do mundo e daqueles que sofrem de fome, conflito e perseguição. Ele elogiou a liderança do Papa Francisco na luta contra a crise climática, bem como sua defesa em garantir que a pandemia termine para todos, para assegurar a distribuição de vacinas e uma recuperação econômica global justa”.

Biden, que se reuniu três vezes como vice-presidente com o Papa, chegou acompanhado por uma delegação de cerca de dez pessoas, incluindo sua esposa, Jill.

O Globo