Uma empresa usada por um delator para lavar dinheiro em esquemas de corrupção emitiu, segundo a Receita Federal, R$ 6,4 milhões em notas fiscais frias para a Precisa Medicamentos e outras empresas controladas por Milton Lyra, operador ligado a Renan Calheiros e o advogado Flávio Calazans, que já admitiu à Lava Jato ter operado caixa 2 para o MDB, diz a Crusoé.“O material embasou obtido pela investigação do MPF em conjunto com a PF embasou a operação deflagrada nesta quinta-feira, 30, na qual agentes cumpriram mandados de busca e apreensão na sede da Precisa, empresa investigada pela CPI da Covid no Senado no escândalo da compra da vacina indiciada Covaxin pelo Ministério da Saúde.”

“Segundo os investigadores, parte dos 6,4 milhões de reais gerados em notas frias foi devolvida aos operadores em espécie, ‘mediante dinheiro gerado a partir da atuação de doleiros e colaboradores’.”

Fonte: O Antagonista
Foto: Reprodução