Foto: reprodução

Stephenie Taylor, de 33 anos, queria aumentar a família e ter um segundo filho, mas não desejava se envolver com ninguém. O alto valor cobrado por clínicas de fertilização locais a assustaram: cerca de R$ 11,6 mil. A mulher então apelou para um “kit de inseminação” vendido on-line.Por meio de um aplicativo, a britânica achou um doador. Em três semanas, o homem levou o sêmen à sua casa.

Na primeira tentativa, com ajuda de um tutorial no YouTube, a britânica engravidou. A pequena Eden, apelidada de eBaby em reportagem do “The Sun“, já tem 11 meses. “Você pode dizer que ela (Eden) é um bebê online real. Ela é um pequeno milagre”, disse a mãe.

“Se eu não tivesse acesso a tudo isso eletronicamente, ela não estaria aqui. Mas estou feliz por ser mãe de novo e estou orgulhosa da maneira como ela veio ao mundo”, acrescentou a britânica.

Stephenie disse que não terá nenhum problema se Eden quiser conhecer o homem que “contribuiu com o DNA” para a sua geração quando ela for mais velha.

O doador, que deseja manter o anonimato, disse sobre a parceira: “Ela é uma pessoa incrível e fico feliz em ajudar novamente se ela quiser mais filhos no futuro”.

Metrópoles