Foto: Ilustrativa/via Sindesp

Eles se passam por advogados, juízes e funcionários de tribunais, e só Deus sabe como possuem os seus dados. Esses golpistas estão entrando em contato informando que estão liberando precatórios trabalhistas, mediante a transferência de valores para o pagamento de uma Certidão Negativa de Débitos (CND), que vale destacar, a emissão é gratuita.
Nesta sexta-feira(26), um aposentado na capital potiguar recebeu uma ligação de uma pessoa muito bem articulada, informando a transferência de um valor próximo de R$ 100 mil. Na ocasião, passou os “trâmites” para liberação do dinheiro via Whatsapp, inclusive, enviando um boleto em pdf como se o crédito tivesse sido disponibilizado.

O que acontece é que, ao verificar a sua conta, o aposentado informou ao golpista que o dinheiro não havia ainda caído na conta. Nesse momento, entra a tentativa de golpe.

O golpista informa a necessidade de quitação da CND para o recebimento do precatório. Questionado se existia um site para puxar o documento no órgão específico, a farsante, dessa vez uma mulher que se passava por secretária de tribunal, disse que não tinha como e que passaria os dados de uma conta para transferência de um valor acima de R$ 1.500,00.

Desconfiado, o aposentado que estava acompanhado de familiares, perguntou a golpista se poderia passar essas informações para que seu advogado falasse com ela. De imediato, a pessoa titubeou, disse que não haveria problema, mas que estava para encerrar o expediente. “Se o senhor não puder resolver essa transferência neste momento, voltaremos a ligar em um prazo de 1 ou 2 anos para que voltemos a tratar de seu precatório”, disse , com objetivo de provocar desespero da vítima.

Em contato com o Blog, a vítima disse que falou com seu advogado, que o alertou do golpe. Ainda segundo o aposentado, os golpistas ainda tentaram outros mecanismos de contato até o início da tarde, quando pararam.

Esse tipo de golpe, vale destacar, já foi registrado no Rio Grande do Sul e outros estados no sul e sudeste, e fez uma vítima recente no Rio Grande do Norte. Na ocasião, um agrônomo acabou caindo no golpe e perdeu R$ 12.998,00. O caso foi registrado na Polícia Civil.

Vale reforçar que os pagamentos de precatórios trabalhistas ocorrem conforme uma ordem cronológica, que leva em considerações critérios como o tempo do processo, a idade e o estado de saúde beneficiário.

Blog do BG