Cipriano Maia é o presidente do comitê científico da Sesap | Foto: Elisa Elsie

O comitê científico estadual divulgou neste sábado (30) uma nota técnica oficial (veja aqui) orientando a suspensão de festas públicas e privadas durante o carnaval de 2021.
A medida abrange carnaval de rua, em clubes, shoppings e eventos em outros estabelecimentos. O órgão, que tem caráter apenas consultivo, também recomendou que o Governo do Estado suspenda os pontos facultativos para não incentivar aglomerações. O comitê é presidido pelo secretário de Estado de Saúde Pública Cipriano Maia

O calendário oficial do carnaval vai de 13 a 17 de fevereiro.

Algumas prefeituras, a exemplo de Natal e Macau, já haviam anunciado a suspensão das festas públicas nos municípios.

A governadora Fátima Bezerra vai publicar na próxima segunda-feira (1º) um decreto oficializando a suspensão do carnaval em todo o Estado, seguindo as orientações do comitê. Até o momento, 18 estados do país já tomaram medida semelhante:

– (Estamos suspendendo o carnaval) diante dos cuidados sanitários que se fazem necessários, inclusive com essa questão das novas cepas que estão surgindo, e seguindo a posição da maioria dos estados brasileiros. Até o momento, 18 estados já suspenderam o carnaval”, disse a governadora.

Fátima Bezerra já tinha decidido adiar o retorno das aulas presenciais no Estado em razão do temor das autoridades sanitárias com a nova cepa do coronavirus identificada inicialmente em Manaus. A maioria dos estados do país também recuou e manterá as aulas apenas no formato remoto.

De acordo com a nota divulgada pelo comitê científico, a suspensão do carnaval é mais uma medida preventiva evitar uma piora no quadro da pandemia no Estado:

– Considerando o comportamento observado nesses espaços durante as festas e as aglomerações em praias, bares e festas, mesmo com todas as recomendações de observância e aplicação dos protocolos de biossegurança e mesmo assim é flagrante o desrespeito às medidas preventivas para o coronavirus”, diz um trecho da nota.

Atualmente, as taxas de transmissibilidade e de ocupação de leitos de UTI estão sob controle. Na terceira semana de janeiro, todas as regiões do Estado estavam com RT abaixo de 1, taxa que calcula o potencial de transmissão de um paciente contaminado para outros.

O percentual de ocupação de leitos críticos segue abaixo de 60% na maioria das regiões. A exceção é o Seridó, onde 65,7% dos leitos de UTI estão com pacientes. A media geral é de 58,5%. Na região Metropolitana de Natal, 55,7% estão ocupados e o Oeste conta com 60% dos leitos lotados.

Saiba Mais – Agência de Reportagem