O Governo Federal ainda persiste no projeto de levar água para o Seridó potiguar, através da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf), mas tem esbarrado na lentidão da governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra.O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, enviou na quinta-feira (1º) um ofício para o Governo do Estado reforçando o pedido para a cedência do projeto executivo realizado pelo estado para a construção das adutoras no Seridó.

A escolha por executar o projeto por meio da Codevasf é para que a obra possa ter mais velocidade na contratação e implementação dos empreendimentos.

A companhia vinculada ao MDR possui lei específica para as licitações, o que torna o processo mais rápido do que se fosse realizado por contratação pelo governo estadual. No ofício, Rogério Marinho também destaca que pesa a favor da companhia a expertise em empreendimentos de segurança hídrica, fator essencial para evitar eventuais descontinuidades nas obras, o que foi observado em alguns empreendimentos executados por convênio, como pretendia o Governo do RN.

O Ministro Rogério Marinho ainda afirma no documento que essa é a melhor maneira para ampliar “a oferta de água para o abastecimento da população e o desenvolvimento econômico dos municípios da região do Seridó” e ressalta que a parceria com o Governo do RN será importante para questões como a regularização fundiária e a operação do empreendimento após a execução das obras.

RP