O neurocirurgião Paulo Porto de Melo, em entrevista ao programa Pânico da Jovem Pan da quarta-feira (21), afirmou que os riscos dos efeitos colaterais da vacina chinesa, Coronavac, podem ser maiores do que a infecção pelo coronavírus.Alvo de polêmicas, após a negativa do presidente Jair Bolsonaro em adquirir o possível imunizante sem antes comprovação científica, a pressa do governador de São Paulo, João Doria, por adquirir a Coronavac foi questionada também pelo médico, que atentou para os possíveis problemas.


“Segundo dados de um estudo desenvolvido na Universidade Stanford, na Califórnia, estima-se que a taxa de letalidade global da covid-19, incluindo o Brasil, é de 0,3% e que cerca de 10% da população mundial foi infectada pela doença. Sendo assim, ainda temos 90% das pessoas suscetíveis ao vírus. O índice de efeito colateral da vacina chinesa, por sua vez, é de 5,37%, ou seja, quando colocamos esses 5% de chances de efeito colateral sobre a porcentagem da população brasileira que ainda não foi infectada, com certeza, vai morrer gente”, explicou.

Comparando os índices, Paulo Porto deixou claro que a letalidade pela Covid-19 é um número expressivo, mas que pode ser ainda inferior ao número de mortes ou complicações pela vacina.

“O público pode pensar que 5,37% é uma taxa baixa, mas representa, por exemplo, cem vezes mais chances de efeitos colaterais do que a vacina contra a pólio, que tem uma taxa de 0,05%. Por isso, talvez a vacina contra covid-19 mate ou prejudique mais gente do que a própria evolução da doença”, afirmou.

Outro ponto levantado pelo profissional da Saúde, foi com relação aos medicamentos para tratamento precoce. Diversos estudos já apontam que a ivermectina, a hidroxicloroquina e a nitazoxanida já diminuem os impactos causados pelo vírus.

“Nós, médicos brasileiros, sabemos tratar a doença. Temos tratamentos para as fases precoce, intermediária e avançada então, por que vamos correr para fechar a economia ou lançar vacinas sem, ao menos, entender suas complicações a longo prazo?”, questionou.

Via\: Focoelho