A repercussão nacional do suposto “favor” que o senador Capitão Styvenson (PODE) teria feito ao sogro, com uso do mandato pegou mal. Não pelo fato, que é comum no País, mas pela postura ética que o parlamentar defende.
RP